O pensamento do guitarrista iniciante

guitarrista inicianteAo começar sua jornada pelo mundo da guitarra, o músico iniciante logo se pergunta: “quem é o melhor guitarrista do mundo?”. E antes de responder essa pergunta, ele precisa responder outra: “o que é um bom guitarrista?”. Cada pessoa costuma criar sua própria definição sobre o que é um bom guitarrista, mas nesse artigo vou colocar você para pensar e refletir a respeito desse tema. Não pretendo ser superficial e dizer apenas “isso é uma opinião pessoal; gosto não se discute”. Acredito que exista muito mais a se falar sobre esse assunto.

Então vamos lá, existe um consenso global sobre velocidade entre os novatos na guitarra e na música. Quanto mais rápido é o guitarrista, melhor. Esse pensamento é bastante compreensível, pois o guitarrista iniciante não faz outra coisa senão praticar a técnica. Quanto mais ele pratica, mais ele consegue executar os exercícios e as músicas com agilidade, portanto ele pensa que guitarristas mais experientes, com mais tempo de treino, são muito rápidos. Se o guitarrista não é rápido, é por que não treinou.

Depois de um tempo interagindo com guitarristas mais experientes, evoluindo no aprendizado da guitarra, o iniciante passa por um segundo processo: a supervalorização do feeling. Ele descobre primeiro que existe uma coisa chamada feeling, e que ela é o que diferencia o homem da máquina. Como esse conceito é tão importante e traz tanto valor à música como um todo, o guitarrista iniciante sente-se maduro ao compreender essa virtude musical. O pensamento agora é: “eu estava enganado a respeito da velocidade, o feeling é a coisa mais importante, pois sem feeling não há emoção, e música é emoção, arte, sentimento…”.

Mas aí entra um novo estágio na carreira do guitarrista iniciante: ele não se aguenta e volta às suas origens de valorização ao virtuosismo. Agora o pensamento é “não adianta ter somente velocidade, nem somente feeling, é preciso ter um balanço correto entre os dois, colocando a velocidade no momento certo”. Repare que a “velocidade” ainda é um pré-requisito importante na definição de bom guitarrista nesse estágio, mas agora ela precisa aparecer no momento certo. Nesse ponto, o guitarrista iniciante acredita ter atingido o nirvana do conhecimento musical. Agora ele finalmente compreendeu o sentido da vida e do cosmos: a relação de simbiose entre velocidade e feeling.

Por que eu ainda estou chamando esse camarada de guitarrista iniciante? Por que esse pensamento ainda é de iniciante. Quem realmente se interessa por música e decide ir além, acaba tendo uma visão muito mais ampla sobre o que é tocar bem. Nesse post concluímos portanto o pensamento do iniciante. Agora vamos definir o que é um bom guitarrista no próximo post!