Como encontrar boas aulas de guitarra online

aulas onlineFala galera, beleza? Todo guitarrista que quer se aperfeiçoar precisa fazer isso com aulas. Caso você não esteja convencido disso e acha que pode aprender de qualquer jeito, tentando imitar outros guitarristas e lendo revistas, saiba que estará indo por um caminho arriscado, pois sem saber exatamente como executar as notas, os acordes, os riffs, solos, ou qualquer outra coisa, você pode acabar tendo uma postura incorreta no posicionamento da mão no braço da guitarra, pode estar segurando a palheta de forma incorreta, pode estar utilizando os dedos da mão esquerda de forma incorreta, etc.

Quando eu digo “incorreta”, refiro-me a uma maneira não eficiente. Não existe certo e errado na música, existe aquilo que facilita sua performance e aquilo que dificulta ou limita seu progresso. O problema é que o jeito menos eficiente (que chamarei aqui de “errado” apenas para fins de referência) é geralmente o jeito mais fácil, enquanto o jeito “certo” parece mais difícil no início, já que exige uma prática que você não está habituado (movimentos que você nunca realizou). Se você começa pelo jeito errado, segurando a palheta da maneira mais cômoda, ou tocando solos usando somente o indicador, por exemplo, isso pode acabar virando um vício. E perder um vício é muito mais difícil do que aprender o jeito certo logo de início.

Mas como encontrar boas aulas de guitarra na internet? Ao procurar no youtube, você provavelmente irá encontrar uma série de aulas de diversos bons guitarristas. E para dizer a verdade, a grande maioria dos vídeos são bons mesmo, realmente ensinam algo legal, dicas importantes. Mas existe outra questão que é muito determinante no aprendizado de um guitarrista, seja ele iniciante ou intermediário: a sequência das aulas. Isso vai determinar a velocidade da sua evolução no instrumento.

Se você não tiver uma sequencia bem ordenada de aulas, com uma ordem bem definida, você pode ter dificuldades de aprender, afinal talvez esteja tentando praticar uma técnica que necessita de alguns pré-requisitos. É melhor aprender primeiro a palhetada alternada ou o sweep picking? Ligados com duas notas por corda ou 3 notas por corda? Sem ter uma programação, os assuntos dispersos acabam dificultando muito e atrasando sua evolução.

Se por um lado o youtube tem vários vídeos bons de guitarra, por outro os canais não organizam a sequência correta para você seguir. Não há um curso bem definido. Mas eu encontrei esse vídeo abaixo que parece ser bem explicativo:

Repare que no final do vídeo ele fala que haverá um curso completo de guitarra, então acredito que eles vão fazer exatamente o que eu falei aqui: organizar as aulas. Vamos aguardar para ver, esse canal Descomplicando a Música parece ser muito bom, mas é mais focado na teoria musical pelo que observei. Tomara que as aulas técnicas de guitarra também sejam boas, aguardemos.

Como segurar uma Guitarra

Tudo bem, esse post não é um artigo técnico tentando explicar a maneira correta de segurar uma guitarra. Muitos até defendem que não existe um jeito certo ou único de posicionar a guitarra, que isso depende do gosto e preferência de cada um, etc. Existe bastante polêmica a respeito, e é bem verdade que algumas posições facilitam a execução, enquanto outras dificultam. Mas também é verdade que o estilo de cada um não pode ser discutido (se alguém gosta de tocar de ponta cabeça, quem sou eu para dizer que ele está errado?!). Para colocar uma pimenta nessa discussão, queremos mostrar um vídeo genial (créditos para Jared Dines – criador), que traduzimos para o português com legendas. Nesse vídeo, Jared mostra 10 maneiras de como segurar uma guitarra. Então está na hora de deixar os preconceitos de lado e decidir qual o estilo que você mais gosta. Pegue carona nessa discussão e divirta-se:

Melhores versões do solo de Sultans of Swing

A música Sultans of Swing (Dire Straits) é bem conhecida de todos, certo? E o que dizer do solo final? Mark Knopfler é um guitarrista muito singular que se destaque por tocar sem palheta e executar solos incríveis, com composições bárbaras. Quem nunca sonhou em tocar o solo de Sultans of Swing com a mesma precisão de Knopfler que atire a primeira pedra!

Nesse vídeo, reunimos algumas versões de músicos que também amam essa música. Tentamos selecionar os melhores vídeos, obviamente que existem muitas outras boas versões, mas é inegável que essas merecem um destaque especial pela criatividade e qualidade. Com vocês, Sultans of Swing Cover – Solo 2:

Juninho Afram x Kiko Loureiro

Nesse vídeo gostaríamos de fazer uma brincadeira criando uma batalha virtual entre Juninho Afram e Kiko Loureiro. Todos sabem que esses guitarristas possuem qualidades inquestionáveis. Juninho é um ícone da música gospel, sendo o principal nome da banda Oficina G3. Guitarrista versátil, Juninho se destaca pelo som peculiar e jeito próprio de tocar. Entre todas as suas habilidades na guitarra, podemos destacar o sentimento refletido nos bends. A maneira que Juninho utiliza os bends é especial, e quem ouve seus solos pode rapidamente identificar que se trata de Juninho Afram. Não é a toa que muitos dizem que Juninho é o melhor guitarrista do Brasil, por gostar tanto de seu jeito singular de tocar guitarra.

Kiko Loureiro dispensa comentários. Um dos maiores ícones (senão o maior) da guitarra no Brasil, Kiko se destacou na banda Angra e nos seus trabalhos (CD’s) solos. Recentemente, Kiko foi integrado na lendária banda Megadeath, tornando-se um dos guitarristas mais conhecidos e respeitados do mundo. Apesar de ser literalmente um monstro da guitarra no metal (sua especialidade), Kiko ainda possui influências na música popular brasileira, tendo inclusive discos que mostram composições suas nesse estilo. Entre os seus shows, podemos encontrar também apresentações voltadas para o jazz. A musicalidade e o talento de Kiko são inquestionáveis, e se por acaso alguém menospreza Kiko Loureiro por dizer que ele só sabe ser virtuoso, é porque não conhece seu trabalho. Kiko possui conhecimentos musicais como ninguém, o que fica claramente expresso no seu trabalho eclético. Muitos dizem inclusive que Juninho foi aluno de Kiko.

Muito bem, sem mais delongas, vamos apresentar então esses dois nomes da guitarra frente a frente numa batalha pacífica e empolgante.

Com vocês, Juninho Afram x Kiko Loureiro:

Guitarra Gospel – Seleção de guitarristas nacionais e internacionais

Como já comentamos no artigo anterior, avaliar se um guitarrista é bom ou não depende de diversos fatores. Como consequência, fica difícil fazer comparações para julgar quem é o melhor. Sabemos disso e não pretendemos realizar comparações diretas, mas criamos esse vídeo apenas para ressaltar e promover alguns nomes da música gospel no Brasil e no mundo. Por que fazer uma seleção de guitarristas cristãos? Por que existe bastante preconceito com os músicos gospel. Muita gente inclusive diz que gospel não é música, o que é uma tremenda besteira. Para quem não sabe, foram os cantos e lamentos dos escravos, que muitas vezes eram organizados em cultos, que deram origem ao blues (que por sua vez deu origem ao jazz e ao rock  and roll). O metal evoluiu do rock and roll a partir de distorções mais agressivas e marcações rítmicas mais intensas. Então se você é um guitarrista que se intitula “do mal”, saiba que seu estilo musical preferido tem raízes no gospel.

Existem diversos nomes da música gospel que são referência no mundo musical. No ramo da guitarra, não poderia ser diferente. Confira abaixo então alguns guitarristas gospel mais consagrados:

Observação importante: nesse vídeo não estão todos os guitarristas gospel consagrados, apenas alguns. O título “melhores guitarristas gospel” é apenas para chamar a atenção da galera no youtube estimulando a curiosidade dos céticos. Como já comentamos, não temos a pretensão de realmente dizer quem são os melhores, e muito menos ordenar. O vídeo não está em ordem (1º fulano, 2ºbeltrano, etc.). Então curta e divirta-se com o som desses caras!

O que é um guitarrista bom?

guitarristaA pergunta “o que é um bom guitarrista?” não é simples de responder, pois está mal formulada. O correto seria: “o que é um bom guitarrista de metal melódico?” ou “o que é um bom guitarrista de jazz?”, etc. Existem diversos estilos diferentes, e cada estilo precisa ser tocado de uma maneira diferente. Os guitarristas de metal, por exemplo, precisam ser bastante técnicos, já que o metal se assemelha (de certa forma) à música clássica, que basicamente se resume a leitura e execução. Já os guitarristas de jazz precisam ter muito conhecimento de harmonia e improvisação, pois as músicas desse estilo possuem acordes bem elaborados e muitas modulações, com trechos voltados somente para a improvisação (se o guitarrista não estiver bem familiarizado com as escalas bebop, menor melódica, hexafônica, entre outras, não conseguirá tocar jazz, pois apesar de conseguir tocar o tema decorando-o, seu fraseado durante o turn around de cada música não terá o tempero jazzístico, ou pior, não será nem ao menos um improviso se o guitarrista não souber o que está fazendo.
É possível que um grande guitarrista de metal, virtuoso, preciso, com feeling, pegada animal e tudo o mais passe vergonha ao tocar um jazz. Eu já vi essa cena. Um amigo guitarrista experiente, com anos de prática, shows, no mundo do metal, um belo dia se viu em meio a uma roda de músicos que estavam afinando seus instrumentos durante uma festa. Alguém o avistou e disse aos demais: “Aquele ali destrói na guitarra! Toca muito!”. Então os músicos o chamaram para dar uma canja. Começaram a tocar All The Things You Are e disseram: “faz um improviso aí!” esse meu amigo parecia estar totalmente perdido, não sabia nem como começar, ficou catando milho a música inteira. Quem viu aquilo deve ter pensado: “cadê o guitarrista que falaram?”.

O mesmo poderia acontecer com o inverso. Um excelente guitarrista de jazz poderia ser convidado para tocar uma música do Dream Theater e não conseguir executar os solos. Há também aqueles guitarristas que conseguem tocar com os pés.

Pensando dessa forma, não podemos dizer se um guitarrista é bom ou não sem definir primeiro de qual contexto estamos falando. Ainda existem muitos outros estilos, como o groove ou soul, em que é preciso rapidamente ter um swing preciso com a mão direita alternando entre tempo e contratempo. O baixista pede para você marcar os tempos fortes com swing à semicolcheia e o que você faz? Ou então você vai fazer a base para um vocalista de mpb e ele pede para você modificar a harmonia na hora: “aqui tu faz uma preparação com resolução deceptiva pra começar o refrão, depois finaliza o trecho com um acorde suspenso pros vocais destacarem a segunda voz…aproveita e já coloca uma sexta e uma nona no acorde do próximo trecho…ah, e o baixo alterna entre terças e quintas, quero a tônica só no final de cada compasso”. Você vai tocar o que ele pediu ou vai sair chorando do estúdio?

No artigo anterior, comentamos que o guitarrista iniciante somente consegue pensar em velocidade e feeling, acreditando que música se resume a isso. Pois bem, se esse é o seu caso, recomendo que comece a se aprofundar na guitarra para não ter mais pensamentos superficiais como esse. E acima de tudo, nunca julgue ninguém precipitadamente. Apenas estude e use os erros e acertos dos outros para evoluir musicalmente e se aprimorar. Fica a dica!

O pensamento do guitarrista iniciante

guitarrista inicianteAo começar sua jornada pelo mundo da guitarra, o músico iniciante logo se pergunta: “quem é o melhor guitarrista do mundo?”. E antes de responder essa pergunta, ele precisa responder outra: “o que é um bom guitarrista?”. Cada pessoa costuma criar sua própria definição sobre o que é um bom guitarrista, mas nesse artigo vou colocar você para pensar e refletir a respeito desse tema. Não pretendo ser superficial e dizer apenas “isso é uma opinião pessoal; gosto não se discute”. Acredito que exista muito mais a se falar sobre esse assunto.

Então vamos lá, existe um consenso global sobre velocidade entre os novatos na guitarra e na música. Quanto mais rápido é o guitarrista, melhor. Esse pensamento é bastante compreensível, pois o guitarrista iniciante não faz outra coisa senão praticar a técnica. Quanto mais ele pratica, mais ele consegue executar os exercícios e as músicas com agilidade, portanto ele pensa que guitarristas mais experientes, com mais tempo de treino, são muito rápidos. Se o guitarrista não é rápido, é por que não treinou.

Depois de um tempo interagindo com guitarristas mais experientes, evoluindo no aprendizado da guitarra, o iniciante passa por um segundo processo: a supervalorização do feeling. Ele descobre primeiro que existe uma coisa chamada feeling, e que ela é o que diferencia o homem da máquina. Como esse conceito é tão importante e traz tanto valor à música como um todo, o guitarrista iniciante sente-se maduro ao compreender essa virtude musical. O pensamento agora é: “eu estava enganado a respeito da velocidade, o feeling é a coisa mais importante, pois sem feeling não há emoção, e música é emoção, arte, sentimento…”.

Mas aí entra um novo estágio na carreira do guitarrista iniciante: ele não se aguenta e volta às suas origens de valorização ao virtuosismo. Agora o pensamento é “não adianta ter somente velocidade, nem somente feeling, é preciso ter um balanço correto entre os dois, colocando a velocidade no momento certo”. Repare que a “velocidade” ainda é um pré-requisito importante na definição de bom guitarrista nesse estágio, mas agora ela precisa aparecer no momento certo. Nesse ponto, o guitarrista iniciante acredita ter atingido o nirvana do conhecimento musical. Agora ele finalmente compreendeu o sentido da vida e do cosmos: a relação de simbiose entre velocidade e feeling.

Por que eu ainda estou chamando esse camarada de guitarrista iniciante? Por que esse pensamento ainda é de iniciante. Quem realmente se interessa por música e decide ir além, acaba tendo uma visão muito mais ampla sobre o que é tocar bem. Nesse post concluímos portanto o pensamento do iniciante. Agora vamos definir o que é um bom guitarrista no próximo post!